Saltear al contenido principal
(English) II Edição Da Ocupação Afro.Futurista Passa Por Salvador, Seabra E Irecê

(English) II Edição da Ocupação Afro.Futurista passa por Salvador, Seabra e Irecê

Disculpa, pero esta entrada está disponible sólo en Inglés Estadounidense. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

Com foco na cultura maker, empreendedorismo, Economia Criativa e tecnologia, a Ocupação Afro.Futurista ganhou uma nova dimensão nesta segunda edição, que começa no dia 9 de outubro. Além de Salvador, a iniciativa será realizada em Seabra e Irecê, cidades que ficam no centro do estado da Bahia.

Com um amplo line up de atrações (shows, workshop, palestras, laboratório de Realidade Virtual e feira maker), a Ocupação está se firmando como uma referência no processo de democratização do acesso à tecnologia e de promoção da cultura da inovação.

O festival terá como fio condutor o mote “Wakanda é Bahia“, com o proposito de celebrar a importância do Estado no contexto da diáspora africana, na América Latina, com uma referência à cidade high-tech no coração do continente negro, mostrada no filme Pantera Negra.

“Apesar de ser um movimento que data da década de 1960, o afrofuturismo ganhou escala planetária no início deste ano, graças ao sucesso do filme e o aumento da discussão sobre a presença negra na área de tecnologia”, destaca Paulo Rogério Nunes, cofundador da Holding Social Vale do Dendê que, ao lado do Instituto Mídia Étnica (IME), comanda a Ocupação.

Os organizadores também se preocuparam em relação ao uso da tecnologia como elemento de promoção da cidadania participativa, da melhoria da qualidade de vida e da resolução de problemas comunitários. Este desafio será encarado pelos jovens que participarão das três edições da Maratona de Tecnologia e Inovação Afro.Futurista. “Em cada uma das cidades vamos privilegiar temas da pauta local como mote para os desafios que serão apresentados aos jovens“, explica Luciane Neves, diretora-executiva do IME.

Volver arriba