skip to Main Content
Conheça Os 10 Empreendimentos Que Estão Participando Da Aceleração De Negócios Da Economia Criativa

Conheça os 10 empreendimentos que estão participando da Aceleração de Negócios da Economia Criativa

As empresas vão disputar cinco prêmios de R$ 10 mil, cada, para investir no crescimento do negócio

Os negócios baseados em plataformas tecnológicas dominam a cena na rodada 2019 do programa de aceleração de startups da Vale do Dendê. As 10 startups felizardas foram selecionadas por meio de um pitch diante de uma banca de especialistas, realizado na sede da Aceleradora na Estação Nova Lapa. Agora, os empreendedores e empreendedoras terão a oportunidade de participar de workshops, palestras inspiradoras e treinamentos desenhados sob medida para ajudá-los a realizar os ajustes necessários e indispensáveis para fazer cada negócio assumir uma escala maior.

Para auxiliar nesta tarefa, a Vale do Dendê conta com um time de especialistas em gestão, comunicação e design thinking. As atividades serão realizadas em grupo e por meio de atendimento individual, respeitando a necessidade de cada empreendedor.

Neste ano, além das dinâmicas típicas da aceleração, os empreendedores poderão garantir um reforço de caixa. Graças ao patrocínio do Itaú Social e do FIIMP2* será possível destinar R$ 10 mil para cada um dos cinco negócios que mais se destacarem ao longo do processo. Os critérios incluem engajamento, evolução do modelo de negócio e capacidade de definir com clareza em quais atividades a verba será aplicada.

Para ajudar os empreendedores a tornar sua iniciativa conhecida em nível nacional os recursos serão depositados como doação numa plataforma de match crowdfunding. Com isso eles poderão fazer uma campanha visando angariar o apoio de amigos, integrantes da rede de relacionamento e até mesmo investidores.

BREVE PERFIL DOS SELECIONADOS NO EDITAL DA ACELERADORA VALE DO DENDÊ

Afrosaude:

startup criada em novembro de 2018 com o objetivo de dar visibilidade aos profissionais negros da área de saúde, conectando-os a potenciais pacientes. A empresa tem como fio condutor a filosofia do Black Money. A plataforma pode ser escalável para qualquer outra cidade ou país onde a temática da luta contra a discriminação seja um item importante da agenda social. A gestão da tecnologia fica a cargo de uma integrante do coletivo Meninas Digitais.

Fundador: Arthur Igor Cruz Lima é graduado em odontologia, especializado em saúde da família e mestrando em saúde, ambiente e trabalho.

Aoca Game LAB:

especializada no desenvolvimento de games, a empresa já possui uma grande musculatura e participação na cena nacional de jogos com narrativa que destoa do padrão da indústria mainstream. Seu mais recente trabalho é Árida Backlands Awakening (https://tinyurl.com/y3q4arr4), que narra as aventuras de uma menina pelo sertão. Apresenta como grande diferencial a valorização da diversidade.

Cofundador: Filipe Pereira é graduado em história e mestre em história e contemporaneidade. Possui especialização em game design e atua como docente na área de jogos digitais.

Dendezeiro:

pioneira no segmento de moda no gender, em Salvador, a grife desenvolveu tecnologias de modelagem e pesquisas de tecidos que permitem que as peças assumam formas diferenciadas a cada “amarração”. O ponto de partida para este trabalho foi a crítica à face excludente de uma parte do universo da moda, que tenta normatizar padrões estéticos.

Cofundador: Hisan Silva dos Santos é formado em fotografia e audiovisual. Foi a “mente criativa” no projeto Melissa Maker.

Ecociclo:

criada por um grupo de jovens empreendedoras, essa startup desenvolve absorventes sustentáveis, sem utilização de compostos danosos ao meio ambiente, após seu descarte: parabenos e derivados de petróleo, por exemplo. A produção é feita por mulheres em situação de vulnerabilidade econômica e social, que dependem de recursos para equilibrar as contas domésticas.

Cofundadora: Hellen Caroline dos Santos Sousa, pós-graduanda em gestão de projetos, fellow ProLider e delegada Youth Advancement Summit.

Grana Preta:

plataforma digital que tenta fazer a ponte entre especialistas em finanças e empreendedores em busca de Recursos Humanos para melhorar sua relação pessoal e profissional com a gestão financeira. Seu foco são os milhões de MEIs, especialmente os que integram a comunidade afro-brasileira, que atuam, normalmente, de forma precária.   

Cofundadora: Amanda Aguiar Dias, graduanda em administração e jornalista com larga experiência em marketing digital e criação de conteúdo, ela atua como coach especialista em finanças.

Iya Omi Cosmética:

a empresa produz cosméticos artesanais, fabricados a partir de insumos que resgatam as conexões com as tradições de matriz africana, como as “plantas de terreiro”. Seu objetivo é abrir espaço para um novo conceito de cosmética que respeita a identidade de cada um e ajuda na preservação da natureza, ao se concentrar em matérias primas locais.

Fundadora: Sueli Santos Conceição, PhD em desenvolvimento e meio ambiente, mestre em estudos étnicos e africanos e graduada em biologia com especialização em gestão ambiental.

Lojinha Sustentável:

a empresa funciona como uma plataforma de venda de produtos com identidade e focados no consumo sustentável. Os produtos de uso corrente seguem também a linha do design acessível, unindo funcionalidade e preço competitivo. Também atua no desenvolvimento de fornecedores a partir da filosofia do Comércio Justo.

Fundadora: Daniela Ramos é bacharel em contabilidade e graduanda em administração de empresas.

Ofá Bèmin:

A grife de roupas foi criada há três anos como parte do processo de iniciação religiosa de sua fundadora. As peças são desenhadas no contexto de um processo criativo que evoca as tradições e experiências da cultura africana. As linhas são definidas entre as peças para uso em cerimônias religiosas e as de uso no dia a dia.

Fundadora: Tamara Nascimento dos Santos é graduada em design gráfico e participou do reality Salvador Fashion Race, edição 2019.

Vista Realeza:

criada em 2012, a grife de moda é pioneira na linha casual que valoriza a estética do homem negro. A forte ligação do empreendedor com o mundo das artes e da comunicação fez com que ele desenvolvesse uma plataforma de debates baseada em dois eixos: Digaí, onde o foco é o bate papo sobre moda e questões ligadas à masculinidade, e Pais Presentes Reais, imersões em conhecimentos e brincadeiras reunindo pais e filhos.

Fundador: Tiago Azeviche, estuda serigrafia e se considera um empreendedor serial.

TrazFavela:

delivery de produtos (comida, roupas, calçados, artesanato etc.) fabricados nas comunidades. O objetivo dessa plataforma é ampliar a visibilidade dos negócios instalados dentro dos bairros periféricos, aumentando sua lista de clientes, a partir da conexão B2B2C. A startup venceu a etapa Salvador da Maratona Hacker Afro.Futurista 2, realizada pela Vale do Dendê.  

Cofundador: Iago dos Santos e design gráfico.

Back To Top